Notícias

Como interpretar o novo antibiograma

Como interpretar o novo antibiograma
O que você precisa atentar quando receber um teste de sensibilidade:  

Como nem todos os laboratórios de microbiologia conseguiram padronizar os testes de sensibilidade conforme a exigência da portaria Nº 64, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2018 (determina  que todos os laboratórios de microbiologia do Brasil devem seguir a padronização conforme dirterizes  da versão brasileira BrCAST/Eucast), testes de sensibilidade padronizados conforme diretrizes do CLSI poderão ainda estar sendo praticados. 

Então, ao receber um resultado de teste sensibilidade o que você precisa observar: 

1-Qual o critério de interpretação que o laboratório usou para liberar o teste de sensibilidade (CLSI ou EUCAST/versão BrCAST).

2-Se o critério usado for o CLSI nada muda. Porém se o critério usado pelo laboratório for o BrCAST as categorias "S", "I" e "R" foram REDEFINIDAS. Observe na legenda abaixo do teste de sensibilidade no laudo emitido pelo laboratório e preste atenção na interpretação da categoria "I":  

 "S" - Sensível, dose padrão: Um microrganismo é categorizado como Sensível, dose padrão quando há uma alta probabilidade de sucesso terapêutico utilizando o regime de dose padrão do agente.

"I "- Sensível, aumentando exposição: Um microrganismo é categorizado como Sensível, aumentando exposição * quando há uma alta probabilidade de sucesso terapêutico devido ao aumento da exposição ajustando-se o regime de dosagem ou sua concentração no local de infecção.

"R" - Resistente: um microrganismo é categorizado como Resistente quando há alta probabilidade de falha terapêutica mesmo quando há aumento da exposição.
* Exposição é uma função de como o modo de administração, dose, intervalo entre as doses, tempo de infusão assim como a distribuição, metabolismo e excreção do antimicrobiano influenciam o microrganismo no local de infecção. 

3-Ao receber um teste de sensibilidade da espécie PSEUDOMONAS SPP com praticamente todos os antimicrobianos com a interpretação na categoria  "I" e o critério usado pelo laboratório for o BrCAST, atentar para a redefinição da categoria "I". Evite, se possível, usar como primeira escolha a categoria "S", reserve esta opção para casos e sítios infecciosos críticos. Utilize as ferramentas EXPOSIÇÃO X DOSAGEM.

4-Caso seja necessário ajustar a dose de algum antimicrobiano ou verificar outras informações, consulte literatura específica  (www.brcast.org.br., Sanford Guide ou outra) ou consulte um infectologista de sua instituição. Se optar pela literartura BrCast entre na página DOCUMENTOS e procure a Tabela de Pontos de Corte Clínicos com a última versão. Nas primeiras 15 páginas encontrará as tabelas dosagens e nas últimas páginas  encontrará as tabelas com pontos de corte para antimicrobianos não relacionados à espécies bacterianas, porém, seu uso deverá ser sempre baseado por testes de sensibilidade com Concentração Inibitória Mínima e não disco difusão.                                                                                                                                


Médicos

Médico, cadastre-se
agora mesmo no CML!

Logo CML
Logo Vittalab
Logo Laboratório Paraí
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência de navegação em nosso site. Nossos cookies são dirigidos para meios de comunicação e analítica avançada. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Para maiores informações sobre a coleta e tratamento de seus dados pessoais, consulte nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados
Símbolo Whatsapp Atendimento pelo WhatsApp!